KIT EMBREAGEM MAREA 1.8 16V REMANUFATURADA

5/5

MAREA ELX 1.8 16V GASOLINA SEDAN (2003 – 2007)

MAREA SX 1.8 16V GASOLINA SEDAN (1999 – 2005)

MAREA WEEKEND ELX 1.8 16V GASOLINA SW (2003 – 2007)

MAREA WEEKEND SX 1.8 16V GASOLINA SW (1999 – 2005)

1 Disco

1 Platô

Marca: RS Embreagem

Código: RS 3868

Código referência Luk: 622082100

Disponibilidade: Em estoque.

Imagens meramente ilustrativas.

Garantia: 06 meses (não nos responsabilizamos pelo mau uso ou instalação indevida, causando a perda da garantia).

Recomendamos que os produtos sejam instalados por profissionais especializados. Oferecemos o serviço de instalação do kit de embreagem em nossas lojas. Consulte com nossos vendedores!!!

equipamento de tecnologia de ponta.

Através de procedimentos de remanufaturamento, as peças são montadas com os mesmos padrões de qualidade das embreagens originais, sendo desmontadas totalmente, onde são feitas as substituições dos componentes danificados por novos de total qualidade, agregando menor custo e benefício ao cliente; proporcionando ao mesmo a certeza de adquiri um produto com alta qualidade confiabilidade e garantia.

Com foco em tradição e qualidade desde 1989, a empresa RS Embreagem é pioneira na produção de peças remanufaturadas. As peças produzidas pela RS Embreagem são recuperadas com equipamentos de tecnologia de ponta. Através de procedimentos de remanufaturamento, as embreagens são montadas com os mesmos padrões de qualidade das originais, substituindo os componentes danificados por novos, agregando menor custo benefício e proporcionando ao cliente a certeza de adquirir um produto com qualidade, confiabilidade e garantia. Adquira conosco o melhor KIT EMBREAGEM REMANUFATURADA DO VEÍCULO FIAT MAREA 2.0.

O Fiat Marea HLX 2.0 20v foi a versão mais equipada – com motor de dois litros e cinco cilindros – com quatro portas do mesmo modelo com nomes diferentes de acordo com sua carroceria: Fiat Bravo hatchback de três portas), Fiat Brava (cinco portas), Marea (sedã de quatro portas) e Marea Weekend (perua). Essa extensa família foi produzida nas fábricas italianas de Cassino e Rivalta, bem como na fábrica turca em Bursa e na fábrica da Fiat em Betim, Minas Gerais.

O mesmo veículo é produzido com especificações diferentes dependendo do mercado a que se destina. Faço esta subseção porque nosso protagonista, o Fiat Marea HLX 2.0 20v, oferecia 155 cv para o mercado europeu desde 1999, o motor fabricado em Pratola Serra (Itália); as fotos correspondem a esta versão. A versão fabricada no Brasil para o mercado local e resto da América Latina rendeu 147 CV (como na Europa em 1996 e 1999), mas com um comportamento diferente.

Na Europa, foram utilizadas suspensões de suspensão mais rígidas e curtas, adaptadas à natureza de suas estradas, enquanto na América Latina foram adaptadas para se deslocarem sem problemas em estradas e estradas em mau estado.

Desta forma, foram utilizados materiais de melhor qualidade intrínseca, visual e tátil, bem como o ajuste das diferentes peças. Os acabamentos eram caprichados e a apresentação do interior era bonita e bem feita. As suspensões foram montadas em estruturas auxiliares fixadas ao chassi para reduzir ou evitar as vibrações que eram transmitidas à cabine produzidas pelas irregularidades do terreno.

O sistema de frenagem também foi dimensionado, oferecendo alto poder de desaceleração. Completando o produto estava um motor de cinco cilindros, quase tão progressivo em operação quanto um de seis cilindros e muito mais silencioso do que um de quatro cilindros. Enfrentou rivais da estatura do Renault Laguna, Ford Mondeo, Peugeot 406 ou Opel / Chevrolet Vectra.

Quanto ao design, como costuma acontecer nas versões sedan, não tem tanto gancho quanto seus irmãos de três e cinco portas, pelo menos do pilar B para a traseira. A frente tem mais sucesso, com uma aparência nítida e alguns faróis irregulares que lhe conferem uma grande personalidade. A lateral e a traseira eram mais convencionais, mas o conjunto era bastante harmonioso.

Uma vez lá dentro, que acessamos através de portas de abertura generosa -quase 90 graus-, descobrimos uma amplitude superior à média de seu segmento. Seguiu a filosofia da Fiat para todos os seus modelos a partir do 128, pensado de dentro para fora, priorizando os passageiros. Os assentos careciam de uma base um tanto curta. Sua regulagem era manual e era oferecida para ajuste de altura e região lombar.

O volante só tinha ajuste de altura. As janelas estavam em seus lugares lógicos, nos braços das portas. Os controles do rádio estavam localizados no volante, com bom design e aderência. A alavanca das mudanças estava à mão, assim como o equipamento de áudio, cujas funções eram difíceis de identificar devido ao seu pequeno tamanho.

O painel de instrumentos principal era um tanto complicado de ler, na forma de semicírculos com caracteres muito compactos que dificultavam a leitura. A visibilidade era boa, tanto de dia como de noite, um tanto limitada nos três quartos traseiros. Os espelhos eram um tanto pequenos. A iluminação era muito boa e incluía faróis de nevoeiro dianteiros e traseiros.

O sistema de ar condicionado era fácil de usar, embora a dosagem fosse um pouco mais complicada. Era um equipamento eficiente e raro em seu segmento e preço. O equipamento de série era muito abundante: ABS, duplo airbag central, barras de proteção laterais, anti-roubo com alarme Fiat Code integrado, abertura interior da mala e depósito de combustível, fecho centralizado, quatro vidros eléctricos e espelhos, lava-faróis / lava-faróis, AM rádio / FM com leitor de cassetes, encosto traseiro rebatível assimetricamente …

Suas dimensões eram de 4.393 mm de comprimento, 1.741 mm de largura, 1.420 mm de altura e 2.540 mm de distância entre eixos, com trilhos de 1.745 mm à frente e 1.430 mm atrás. Seu peso aprovado foi de 1.326 kg. A capacidade da porta-malas foi o menos favorável, com apenas 430 litros. No entanto, ele tinha um pneu sobressalente e um pequeno kit de ferramentas de emergência.

Vamos ver o que sua mecânica nos diz, especificamente a versão americana. O bloco de cinco cilindros em linha estava em uma posição transversal à frente, com duas árvores de cames à cabeça e quatro válvulas por cilindro. Seu deslocamento total foi de 1.998 cm 3 e entregou uma potência máxima de 147 cv a 6.100 RPM e 186 Nm a 4.500 RPM de torque máximo. A alimentação foi por meio de injeção eletrônica Bosch Motronic M2 10.4.

A potência foi manifestada de forma otimizada na faixa de 4.500-6.500 RPM, enquanto o torque do motor foi abundante na faixa de 3.500-5.500 RPM. O corte de injeção ocorreu em 7.200 RPM. Era um motor de resposta bastante suave, com temperamento em sua zona operacional ideal. O motor revisado da versão europeia entregava 154 cv a 6.500 RPM e um torque máximo era o mesmo, 186 Nm, mas em uma velocidade diferente, a 3.750 RPM. Em ambos os casos, o bloco era de ferro fundido e a cabeça do cilindro de alumínio.

Os reais benefícios da versão americana foram os seguintes: velocidade máxima de 203 km / h, 9,3 segundos de 0 a 100 km / h; 30 segundos para percorrer os 1.000 metros a partir da paralisação, 7,2 segundos para passar de 90 a 120 km / h no quarto 10,5 segundos para o mesmo recorde no quinto. A velocidade máxima homologada da versão europeia foi de 210 km / h e 8,6 segundos de 0 a 100 km / h.

A caixa de câmbio era manual com cinco marchas e tração sempre nas rodas dianteiras. As velocidades máximas nas quatro primeiras marchas da edição americana foram 59, 94, 136,9 e 180,6 km / h. Os valores das três primeiras marchas são dados a 7.200 RPM, no corte da injeção, na quarta a 6.800 RPM. Seus consumos reais foram os seguintes: 7,13 l / 100 km a 90 km / h, 8,66 l / 100 km a 120 km / h e 11,24 l / 100 km / h. Quase na velocidade máxima, a 200 km / h, foi possível atingir 20,14 l / 100 km.

O sistema de travagem apresentava um circuito diagonal duplo independente, reforço de travagem e ABS de quatro canais. Os discos estavam presentes em ambos os eixos, sendo os dianteiros ventilados (280 mm de diâmetro) e os traseiros maciços (240 mm de diâmetro). Seu toque, eficiência, distâncias de parada e bom funcionamento do ABS o tornam um dos melhores do segmento neste segmento. A 90 km / h, ele precisava de 39,8 metros para frear e, a 120 km / h, aumentou para 62,2 metros.

A suspensão montou esquema independente em ambos os eixos, com sistema McPherson na frente, braços transversais inferiores montados em um sobrechassi auxiliar. Atrás dele havia um esquema independente com braços arrastados montados em uma travessa auxiliar. Amortecedores telescópicos, molas helicoidais e barra estabilizadora eram comuns em ambos os eixos. Dispunha de boa sensação ao volante, com resposta imediata e direta.

Com este esquema, foi alcançada uma altura maior em relação à versão europeia, bem como uma maior resistência, e bem adaptada às estradas locais brasileiras. Apesar destas diferenças, o seu comportamento atinge um bom equilíbrio, tanto na cidade como fora dela, nas retas e nas curvas, mas com tendência para subvirar nestas últimas, típica de um automóvel com tração dianteira e grande motor.

Como substituto do Tempra, ganhou muitos pontos em todos os níveis, em conforto, qualidades, acabamentos e mecânica. A Fiat trabalhou muito nisso e fez um produto quase redondo em comparação com o que oferecia até agora. Seu preço era acima do custo dos rivais em seu segmento, mas em troca ofereceu um produto de alta qualidade e equipamentos de alta.

Procurando o KIT EMBREAGEM REMANUFATURADA DO VEÍCULO FIAT MAREA? Conte conosco para atendê-lo. Temos a melhor embreagem remanufaturada do Brasil!!!

Share on facebook
Facebook
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *